Cúmulos



O cúmulo do azar é ser atropelado pelo carro funerário.
-------------------------------------------------------------
O cúmulo da paciência é ver o banguelo tentando comer azeitona.
-------------------------------------------------------------
O cúmulo da cara de pau é comprar fiado e pedir o troco
--------------------------------------------------------------
O cúmulo da fome é lamber o espeto do churrasco.
--------------------------------------------------------------
O cúmulo do sono é você conseguir dormir com os olhos abertos.
---------------------------------------------------------------
O cúmulo da inocência é acreditar quando ele diz que vai te levar para o motel apenas tomar banho de banheira.
---------------------------------------------------------------
O cúmulo da burrice é comer o guardanapo e se limpar com o bife.
---------------------------------------------------------------
O cúmulo da magreza é tirar raio-x com o flash de uma câmera fotográfica





Veja outras Piadas

  • A Loira e o Baril

    O loira passa pela rua rodando um barril enorme. Solicito, um rapaz pergunta:

    — Quer ajuda?

    — Claro! — Ela responde.

    O rapaz sai rolando aquele negócio pesadão pela rua. Não se contendo, quer saber o que há dentro.

    — Urina! — responde a loira — Tô levando pro médico.

    O rapaz se surpreende:

    — Tudo isso aqui dentro é urina? Mas pra que tanto?

    — Ah, vai entender os médicos... — diz a loira, irritada — Só sei que ele mandou: "A cada seis meses a senhora vem aqui e me traz a urina!"

  • Reprodução dos Marcianos

    Estamos no ano de 2015. Os astronautas põem o pé pela primeira vez em Marte. Durante a exploração, um dos astronautas encontra uma marciana incrivelmente linda. Após o primitivo primeiro contato, ambos percebem que os idiomas falados são parecidíssimos e iniciam uma conversa. Não demora muito, o assunto já é sexo e eles discutem os diferentes modos de reprodução:

    — Aqui em Marte — inicia a Marciana -, para se procriar junta-se uma porção de elementos químicos num recipiente, cospe-se dentro e chacoalha até aparecer um marcianinho.

    Como o astronauta não é bobo, em vez de comentar o nosso processo, ele prefere demonstrar praticamente. A marciana concorda e eles iniciam o ritual.

    Depois de algumas horas, sem fôlego, a Marciana diz:

    — É incrível! Isso é a coisa mais fantástica que eu já fiz! Mas... e o bebê?

    O astronauta responde:

    — Bem, o bebê só aparecerá daqui a nove meses.

    E a marciana:

    — Então parou por quê?

  • Frase do Urubu

    A professora chega na classe e pede para os alunos fazerem uma frase com Urubu. Depois de um tempo ela começa a perguntar as freses,e começa pela Letícia:

    — Qual foi sua frase Letícia?

    E ela responde:

    — O Urubu tem penas pretas e bonitas!

    — Muito bem Letícia. — elogia a professora.

    — E a sua Joãozinho? — ela pergunta.

    E ele responde:

    — Urubu tem pena no cu!

    A professora fica muito brava e pede para ele fazer outra. E quando ela terminou de perguntar as frases dos outros alunos, pediu para ouvir a nova frase do Joãozinho.

    E ele fala:

    — O Urubu tem pena no pé, porque no cu a professora não quer.

  • Bêbado no Trabalho

     

    O sujeito chega no trabalho completamente bêbado. O chefe chama-o num canto e lasca a maior bronca:

    — Ô Gonçalves, assim não dá! O senhor não pode vir trabalhar neste estado!

    — O senhor... hic... está me mandando embora do Rio de Janeiro?

    — Não, não é nada disso! É que o senhor está caindo de bêbado!

    — Ah! Foi o oculista que mandou!

    — O oculista mandou? O senhor está maluco!

    — É sim... — e tirando uma receita toda amarrotada do bolso: — Olha aí... o que está escrito debaixo dos garranchos... pinga três vezes ao dia!

  • Sou Um Milho

    Um louco pensava ser um milho. Toda vez que perguntavam a ele o que ele era, ele dizia:

    — Sou um milho!

    Foi para o Sanatório para se recuperar e depois de 6 meses, estava praticamente recuperado. O agora ex-louco foi conduzido a sala do diretor do sanatório, onde o diretor perguntou:

    — O que você é?

    — Sou um homem, diretor!

    — Tem certeza?

    — Perfeitamente!

    — Parabéns! Você está curado, pode ir para casa!

    E o louco sai do sanatório todo satisfeito. Minutos depois ele retorna desesperado e ofegante, fechando a porta rapidamente, tentando mante-la fechada. O diretor vendo aquela cena pergunta:

    — O que houve, rapaz?

    — Tem uma galinha lá fora!

    — Mas você não é um milho!

    — Eu sei doutor, mas será que a galinha sabe?

Ver todas